Categoria: Desenvolvimento Pessoal

Pensamento Computacional pode resolver problemas.

Leitura em 5 minutos
Pensamento computacional

O pensamento computacional pode nos ajudar nas tarefas do dia a dia, você sabia?

O que é pensamento computacional? Se você for procurar no Google ou Wikipédia, existe uma definição complexa, falando de teses no meio acadêmico da Ciência da computação, construcionismo, e metodologias de ensino utilizando-se do computador.

Mas eu quero me deter a uma frase para tentar explicar o que eu considero aplicável no nosso dia-a-dia:

“O pensamento computacional pode ser usado para resolver algoritmicamente problemas complicados”

O que é um algoritmo?

Algoritmo é um conjunto de tarefas simples, capazes de serem executadas por um computador – uma máquina – mas que por incrível que pareça só consegue entender duas coisas: zero e um.

Decompondo um problema com pensamento computacional

Por isso, sempre que um programador precisa construir um Programa ele precisa decompor o problema, transformá-lo em uma lista de tarefas simples que sejam executadas pelo computador.

Par ou Ímpar?

Um dos primeiros algoritmos que aprendemos logo no início da faculdade é o que descobre se um número é par ou ímpar. Mesmo para essa demanda boba, precisamos decompor o problema e simplificar as tarefas ao máximo.

A primeira coisa definida no programa é que ele precisa receber um número;

A segunda é dividir o número por dois;

A terceira é verificar se o resto da divisão é zero ou um;

A quarta é exibir a mensagem de acordo com o resto:

Se for zero o número é par;

Se for 1 o número é ímpar.

Um problema, várias soluções!

Não existe apenas uma maneira de fazer isso. Porque também podemos pegar qualquer número, identificar o primeiro numeral da direita para a esquerda, OU o ultimo da esquerda pra direita e, se ele for um, três, cinco, sete ou nove definimos então como ímpar e o contrário como par.

Aliás, não sei vocês, mas minha cabeça funciona assim, destaco o último número e vejo se ele é par ou ímpar.

Mas, como nas primeiras aulas da faculdade ainda não sabíamos como destacar o último número, e já sabíamos que a instrução MOD nos trazia o resto de uma divisão, optamos pela primeira lista de tarefas para resolver a questão.

Vamos trazer o pensamento computacional para o dia-a-dia?

Imaginemos que minha mãe me liga em plena reunião de trabalho para avisar que na casa dela estourou um cano e a água está vazando por toda cozinha mas eu não tenho como ir até lá.

Eu tenho algumas opções mas uma delas é largar tudo que eu estou fazendo e sair correndo para tentar consertar.

Outra coisa é respirar, dividir o problema em pequenas tarefas – as mais simples possíveis – me permitirão ter uma visão geral do problema e resolvê-lo muito mais rápido.

Com 3 mensagens de WhatsApp resolvo o problema.

1 – Mãe, preciso que você feche o registro geral da casa;

2 – Peço para meu filho Daniel que entre em contato com o Sr. Lino, bombeiro hidráulico e peça para ele ir à casa da Vovó consertar um vazamento.

3 – Finalizo pedindo minha esposa passar no banco e trazer dinheiro para pagarmos pelo serviço.

Dividir para conquistar

Quanto mais simples as tarefas, mas chances de outras pessoas me ajudarem, menos chances de a tarefa ser executada de forma errada.

Resolvi o problema envolvendo 3/4 de pessoas que não são bombeiros hidráulicos, que nunca consertaram um vazamento mas seguiram as partes para solucionar.

A ARC consegue entregar muito, realizar muitas integrações. Porque utilizamos esse pensamento, dividimos muito, ao máximo, e aproveitamos todo nosso time para realizar pequenas tarefas de forma certeira.

O desafio de integrar com a Light.

Quando fomos contratados para integrar nosso sistema ao da Light, a primeira coisa que pensamos, confesso, foi como poderíamos fazer isso com uma empresa do tamanho da Light?

Uma empresa com 6 milhões de clientes, uma distribuidora de energia, antiga estatal da terceira maior cidade do Brasil.

Chamei meu braço direito Rodrigo para juntos começamos a listar o que deveria ser feito, qual seria a primeira integração, qual seria a primeira tarefa da primeira coisa a ser feita. A primeira missão era fazer com que os clientes que acessassem a agência virtual pudessem ser direcionados para plataforma da ARC, mas sem ter que realizar um novo login.

Desafio aceito, reuniões com o time técnico da ARC e da Light, definimos cada passo a ser dado e as equipes executaram um a um.

As tarefas eram tão simples, que o resultado foi em tempo recorde e todos ficaram surpresos.

Se você quiser conhecer mais sobre a ARC, acesse o nosso site e garanta 30 dias de uso, gratuitamente.

Gerações e os seus posicionamentos.

Leitura em 2 minutos

Gerações: falamos por aqui sobre a força das novas gerações no mercado de trabalho. É assustador pensar que os nascidos em 2001 já estão na faculdade. E é mais surpreendente ainda perceber que esses jovens estão dominando o mercado de forma avassaladora.

Mas o que eu, uma jovem de 21 anos tenho a falar sobre essa geração que também é minha?

Há algumas semanas, tivemos um bate papo muito legal com o Pedrinho Salomão no ARC Insights. Falamos sobre o poder das gerações Z e Y mas hoje eu quero falar sobre o impacto que causamos no mundo, geração por geração.

Não importa qual nomenclatura elas receberam, as gerações mais antigas por mais que muitas vezes tenham pensamentos contrários aos da geração seguinte foram e são muito importantes no mercado atual.

Afinal, foram elas que nos mostraram o caminho para trilhar e chegar no desenvolvimento tecnológico que vivemos hoje.

Outro dia ouvi falar sobre a geração Alfa, os nascidos a partir de 2010, em uma era nativa digital e é incrível pensar em tudo o que essa geração pode trazer no futuro.

Mas o mais importante é entender que hoje nós temos a responsabilidade de nos atualizar e nos renovar o tempo inteiro pra continuar falando com os jovens que já tomam decisões no mercado.

Quando a ARC surgiu no mercado, a maioria dos jovens decisores de hoje, eram apenas crianças. Mas hoje são elas que contratam o nosso serviço e isso nos fez ter uma necessidade de mudança de posicionamento.

Não só pra falar a linguagem desses jovens, mas para também incluir todas as gerações anteriores no mercado tecnológico.

Se pensarmos em idade, a ARC hoje está vivendo a sua adolescência e amadurecendo dia após dia, se conectando com empresas que tem o mesmo pensamento e objetivo: crescer.

E como somos millenials, estamos nos desconstruindo com muito mais conhecimento e nos reconstruindo com a mente aberta para ser muito mais do que já fomos um dia.

Nós temos a solução perfeita para a sua transformação. Fale com a nossa equipe!